domingo, 30 de março de 2014

Dare To Dream - Shadowside


Ouse Sonhar. É com prazer imenso que disponibilizo aqui no anjos do Metal o segundo álbum da banda brasileira Shadowside. Trata-se de um álbum naturalmente bastante técnico, por meio do qual a banda começa a se projetar para o cenário internacional. Apesar de eu considerar este o mais fraco dos registros da banda, digo sem nenhuma dúvida que é um álbum super foda! Foda porque a Dani Nolden arrasa com seu vocal! Foda porque é um registro com o peso característico da banda! Foda também porque depois de um tempo você não consegue ficar sem ouví-lo! Mas não foram nas primeiras ouvidas que formei essa opinião: eu demorei muito tempo pra conseguir gostar dele de verdade... Mais abaixo na página você encontrará o clipe de Hideaway, principal faixa do álbum. O vídeo é simplesmente sensacional!

Destaques para Hideaway, Last Thoughts e Time To Say Goodbye, uma balada semiacústica em que a banda ousou bastante e conseguiu um excelente resultado. Inclusive ouvindo ela agora lembrei de algo bem curioso: o solo dessa música me remete muito aos solos da época do Slash no Guns N' Roses!

BANDA: Shadowside

ÁLBUM: Dare To Dream

ANO: 2009

GRAVADORA: Chavis Records

FORMAÇÃO: Dani Nolden (vocal), Raphael Mattos Lemes (guitarra), Edu Simões (baixo) e Fabio Buitvidas (bateria)

DURAÇÃO: aproximadamente 00:47:05

TRACKLIST:
01. Nation Hollow Mind (3:38)
02. In The Night (4:06)
03. Last Thoughts (5:14)
04. Hideaway (5:22)
05. Baby In The Dark (4:26)
06. Ready Or Not (4:08)
07. Memories (3:44)
08. Wings Of Freedom (4:05)
09. Time To Say Goodbye (4:09)
10. Life Denied (4:33)
11. Dare To Dream (3:35)

SENHA: angelofmetal

LINKS DE REFERÊNCIA:


terça-feira, 30 de julho de 2013

Eat My Heart For Rebirth (EP) - For Bella Spanka


Coma meu coração para renascer. Depois que saiu do Noturna, Fábio Bastos criou o For Bella Spanka, projeto no qual decidiu fazer tudo sozinho, gravando todos os instrumentos e produzindo o único lançamento da banda: o EP (com cara de full lenght) Eat My Heart For Rebirth. Talvez a opção de criar uma "one-man band" tenha sido fruto de uma decepção com o Noturna, decepção essa que o fez sair da banda após o lançamento do aclamado Diablerie, mas o fato é que ouvindo esse lançamento, percebe-se que o talento do Noturna era realmente este cara.

O som que se ouve aqui é um Gothic Rock pesadíssimo, com excelentes linhas de teclado, num último suspiro artístico deste músico que está entre os meus preferidos, apesar de não ter gravado muitas músicas em sua curta carreira. Quem disse que para ser considerado o melhor tem que tocar em um Iron Maiden da vida? A mixagem é perfeita, todos os instrumentos soam muito bem e nada de guturais: apenas o belíssimo vocal limpo de Fábio, em muitos momentos lembrando Ville Valo, do HIM, uma de suas declaradas influências para este projeto.

Lamento muito que o Fábio Bastos tenha aparentemente abandonado a carreira de músico, pois em um curto tempo ele conseguiu criar algo único e cheio de personalidade. Este é um daqueles álbuns em que todas as músicas são boas. E mais: o EP vem recheado com covers para músicas de Whitesnake, The Cure, A-Ha e Information Society e bonus tracks. Além disso, a capa é uma obra de arte, simbolizando com perfeição as principais características do som gótico, além do título do EP ser bastante sugestivo. 

Foi foda encontrar as músicas, principalmente as faixas bônus, mas com certeza valeu a pena passar horas procurando. Espero que gostem tanto quanto eu.

P.S. Não me pergunte quem é aquela mulher na imagem ou por que ela está ali.

BANDA: For Bella Spanka

ÁLBUM: Eat My Heart For Rebirth (EP)

PAÍS: Brasil

GÊNERO: Gothic Rock

ANO: 2007

GRAVADORA: desconhecida

FORMAÇÃO: Fábio Bastos (vocal e todos os instrumentos)

DURAÇÃO: aproximadamente 49 minutos e 38 segundos

TRACKLIST: 
01. Inside Your Love (4:19)
02. Destroy Every Mountain (3:42)
03. Dark Angel (3:47)
04. We Share The Same Sky (4:43)
05. Falling In Love Is Like Falling Apart (5:00)
06. Don't Break My Heart Again (Whitesnake Cover) (4:56)
07. Kill Somebody (Bonus Track) (4:07)
08. The Hallowed Angel In Surface (Bonus Track) (6:46)
09. Just Like Heaven (The Cure Cover) (Bonus Track) (3:42)
10. Take On Me (A-Ha Cover) (Bonus Track) (3:46)
11. What's On Your Mind (Pure Energy) (Information Society Cover) (Bonus Track) (4:44)

TAXA DE BITS: 128kbps

SENHA: angelofmetal

LINKS DE REFERÊNCIA:



sexta-feira, 26 de julho de 2013

The Strength To Dream - Warning


Galera, devido à dificuldade em encontrar material desta banda para download na internet, disponibilizo aqui no Anjo do Metal o primeiro álbum da banda de Doom Metal Warning. Trata-se de uma banda ativa de 1994 a 2009, com um pequeno hiato entre 2001 e 2005, que utiliza vocais limpos em suas músicas, fato este que me atraiu, além da longa duração de suas faixas. O disco possui apenas cinco músicas, mas passa dos 50 minutos. É altamente indicado para quem curte um som lento, pesado e com vocal alternativo (visto que a maioria das bandas de Doom utilizam vocal gutural). Este álbum ainda foi relançado em 2008 com uma arte diferente, que você pode conferir logo abaixo.



P.S. Peço desculpas por ter abandonado o blog. Espero poder postar com mais frequência a partir de agora.

BANDA: Warning

ÁLBUM: The Strength To Dream

PAÍS: Reino Unido

GÊNERO: Doom Metal

ANO: 1999

GRAVADORA: The Miskatonic Foundation (1999) / Cyclone Empire (2008)

FORMAÇÃO: Patrick Walker (vocal e guitarra), Marcus Hatfield (baixo) e Stuart Springthorpe (bateria)

DURAÇÃO: aproximadamente 50 minutos e 26 segundos

TRACKLIST: 
01. The Return (11:42)
02. The Face That Never Dies (7:13)
03. Something Hurts (7:49)
04. How Can It Happen (10:11)
05. The Strength To Dream (13:30)

TAXA DE BITS: 128kbps

SENHA: angelofmetal

LINKS DE REFERÊNCIA:



terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Theatre Of Shadows - Shadowside


Como headbangers brasileiros, sabemos muito bem o quanto as bandas precisam batalhar para se manterem vivas dentro do underground e ao mesmo tempo fiéis ao nosso querido Metal. E é isso ou se vender e virar um Skank da vida. Pois bem, a banda que trago hoje a vocês é sem dúvida uma das minhas preferidas daqui do Brasil. O shadowside nasceu em 2001 e de lá pra cá já lançou três álbuns completos.

E mais: a banda conta com uma belíssima 'frontwoman', a carismática Dani Nolden. E com muito esforço e muita batalha, já conseguiu excursionar diversas vezes para o exterior acompanhando bandas grandes do calibre do W.A.S.P., só pra citar um exemplo. E essa experiência se refletiu em estúdio, já que a banda conseguiu arrebentar em seu último disco. Mas hoje, primeiramente, trago o 'debut' do Shadowside, o álbum Theatre Of Shadows.

Podemos classificá-lo como um álbum não tão bem produzido, mas que o talento da banda compensa qualquer falha nesse sentido. E também com os recursos disponíveis, a banda conseguiu transformar água em vinho. O CD é daqueles que viciam e com o tempo percebe-se que não há uma única música que não se destaque dentre as doze faixas.

Foi feito um videoclipe para a espetacular Highlight, que você pode e deve conferir no final do post. Nele, você consegue identificar toda a energia da banda e o esforço para que tudo isso acontecesse. Só ouvindo para entender do que eu estou falando.

Quanto ao estilo, é um Heavy Metal um pouco melódico, por vezes classificado erroneamente como Power Metal. Mas não espere um vocal feminino comum. O que se enxerga por aqui é um estilo próprio de cantar  mais voltado para o melódico que fascina tanto quanto o instrumental. Destaque também para os riffs arrasadores de Raphael Mattos Lemes e para o uso do teclado em algumas faixas - mesmo a banda não contando com um tecladista no lineup.

Por mais que o terceiro álbum seja o mais relevante da carreira da banda, me atrevo a dizer que este é o melhor álbum do Shadowside, pois possui todo o feeling de uma banda que está começando e que ama o que faz.

A capa possui duas artes diferentes: uma especial para o Brasil e outra para os lançamentos internacionais. Esta que usei acima é a versão internacional. Abaixo está a versão nacional:


Trata-se de uma banda já consolidada no cenário nacional, que não precisa provar mais nada para ninguém e que busca sempre evoluir a sua sonoridade, não ficando na zona de conforto. Prevejo voos altos para o Shadowside! =D

BANDA: Shadowside

ÁLBUM: Theatre Of Shadows

ANO: 2005

GRAVADORA: Seven Music

FORMAÇÃO: Dani Nolden (vocal), Raphael Mattos Lemes (guitarra), Fernando Peto (baixo) e Fabio Buitvidas (bateria)

DURAÇÃO: aproximadamente 00:54:19

TRACKLIST:
01. Enter The Shadowside ★★★
02. Vampire Hunter ★★★★★
03. Highlight ★★★★★
04. We Want A Miracle ★★★★★
05. Illusions ★★★★
06. Queen Of The Sky ★★★★★
07. Believe In Yourself ★★★★★
08. Tonight ★★★
09. Kingdom Of Life ★★★★
10. Red Storm ★★★★★
11. Act 1 - Shadow Dance ★★★★
12. Act 2 - Here To Stay ★★★★

DESTAQUES:
1º: Highlight
2º: Vampire Hunter
3º: Queen Of The Sky

NOTA: 10!

LINKS DE REFERÊNCIA:
DA BANDA: http://www.metal-archives.com/bands/Shadowside/5488
DO ÁLBUM: http://www.metal-archives.com/albums/Shadowside/Theatre_of_Shadows/86886




segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Textos Filosóficos #2 - Preconceito & Generalização (Parte II)

PRECONCEITO


Preconceito é generalizar e criar um pré-conceito sobre algo ou alguém sem realmente conhecer a coisa ou o ser. Segundo o dicionário Aurélio, preconceito "existe em relação a quase tudo e varia em intensidade da distorção moderada a um erro total". Assim sendo, acredito que a forma mais sublime que uma pessoa pode se materializar é não tendo nenhum preconceito. E eu digo nenhum no sentido literal da palavra mesmo. Zero preconceito. É o mais próximo que uma pessoa pode chegar de uma divindade - para quem acredita - ou poderíamos também definir esse estado como o ápice do caráter humano.

Uma observação importantíssima, que devemos ter sempre em mente:

TER PRECONCEITO É DIFERENTE DE SER CONTRA OU NÃO CONCORDAR COM ALGO. 

Por exemplo: um dos assuntos mais polêmicos é o preconceito quanto a sexualidade, o que a sociedade decidiu chamar de homofobia. Você tem total direito de ser contra o homossexualismo. Não ter preconceito em relação a isso, não quer dizer "aceitar numa boa" os homossexuais. Quer dizer NÃO generalizá-los e NÃO criar uma ideia pré-concebida em relação à eles. A prova dessa observação digo-lhes agora: você pode odiar os homossexuais e ter vontade de matá-los (entenda-se que isso é errado), mas esse sentimento e essa vontade NÃO SÃO preconceito a partir do momento em que você entende sobre o assunto e tem uma opinião própria formada.

Mas para chegar ao estado do ápice do caráter humano, abordado no início do texto, é preciso tomar muito cuidado. Na sociedade em que vivemos e com a cultura que somos, mesmo que involuntariamente, obrigados a engolir, a cada instante você está caindo na rede do SENSO COMUM, às vezes até sem perceber. Uma frase da minha ex-professora de sociologia que me marcou muito foi: "Deve-se sempre fugir do senso comum". Não há como você estar inserido no senso comum e não ter preconceitos, mas há como você estar fora do senso comum e ter preconceitos. O "status" de apogeu do caráter humano, dito anteriormente, tem fundamento nessa dificuldade de eliminar os preconceitos.


Não ter preconceito também não quer dizer não criticar ou não definir mais ou que é certo ou errado. O importante é entender o que se está criticando e saber do que se está falando. Isso também é ser crítico, tendo uma opinião formada sobre determinado assunto. Não quer dizer também que essa opinião não seja mutável. Você pode absorver as influências das pessoas que lhe cercam, para aprimorar seu caráter, mas, nesse caso, o cuidado deve ser redobrado. É muito fácil cair novamente no senso comum e criar uma "falsa personalidade", na qual a pessoa acha que tem uma personalidade própria, mas na verdade ela é um amontoado de fragmentos de personalidade retirados das pessoas com as quais ela convive.

Bom, para a grande maioria das pessoas, esse texto não fará sentido e muito menos diferença. Para outras até fará, mas elas não estarão dispostas a sair da sensação de conforto do senso comum para entrar na zona do pensamento próprio e da crítica. Mas se eu conseguir, por um instante, fazer com que uma única pessoa entenda a mensagem que quero passar aqui, tudo já vai ter valido a pena.

Textos Filosóficos #1 - Preconceito & Generalização (Parte I)

GENERALIZAÇÃO


A partir de uma conversa com um colega, pude perceber e conhecer um pouco mais esses dois demônios da sociedade contemporânea: a generalização e o preconceito. O que farei aqui é dar o meu ponto de vista à respeito desses dois males, portanto, se discordar de algo - e certamente vai - o problema é seu.

Comecemos a análise dessa questão complicada pela generalização, que é o que, em grande parte, fornece a base para que os mais variados preconceitos sejam formados e estabelecidos como parte da cultura de uma sociedade.

"Olha lá aquele Rockeiro! Vendeu a alma pro diabo e agora está no caminho da perdição! Vai queimar no fogo do inferno no Juízo Final!"

"Nossa, olha só aquele casal de funkeiros. Garanto que já tem uma penca de filhos e para eles só resta roubar pra poder alimentar todas as crias!"

Manifestações desprezíveis como essas são vistas aos montes, pelo menos no meu dia-a-dia. Bom, não preciso nem dizer que quem ouve Rock tem fama de satanista e drogado. E quem ouve Funk tem fama de puta (mulher) e marginal (homem). Todas essas são generalizações sem tamanho, criadas por grupos sociais que se odeiam (Funk X Rock) e vivem travando guerras virtuais no anonimato da internet. Bom, mas isso é questão para outro post. O fato é que a generalização faz todos parecerem iguais, como o GOVERNO e seus manipuladores querem que seja.

Assim, generalizando os funkeiros, eu terei um pré-conceito, ou seja, uma ideia pré-formada, a respeito de TODOS os funkeiros, que pouco jus faz ao caráter que eles realmente apresentam. Isso é o preconceito.



Não é muita hipocrisia achar que todos os funkeiros são iguais, mesmo tendo plena consciência de que cada pessoa é única e tem uma forma de pensar e um caráter diferente? Não pretendo aqui defender nem funkeiros nem rockeiros. Apenas os estou usando como exemplo.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Neverworld's End - Xandria


Tarja Turunen voltou ao Nightwish! Embora essa volta pareça mais improvável que o fim do mundo em 2012, devido à forma como foi mandada embora pelo gênio Tuomas Holopainen, é essa a impressão que temos ao escutar este novo trabalho do Xandria. Como só conheço a banda por este álbum, não posso fazer comparações entre Neverworld's End e os outros quatro álbuns anteriores.

O primeiro e magnífico álbum lançado com a vocalista Manuela Kraller é grandioso, para ser breve. A forma operística com que Manuela canta lembra diretamente a nossa querida Tarja, além das orquestrações de todo o disco lembrarem bastante o Nightwish também. De diferente, apenas a ausência de teclados 'na cara', como os de Tuomas no Nightwish. Mas nem por isso o Xandria deixa de ser original!

O álbum inicia com a toda-poderosa A Prophecy Of Worlds To Fall, uma épica que deixa qualquer um boquiaberto e ao mesmo tempo apreensivo - no melhor sentido da palavra - pelo que virá a seguir. O álbum todo em si é muito coeso, sendo que há espaço suficiente para todos os integrantes se destacarem em algum momento dentro dessa coesão nos mais de 60 minutos do play.

Outro destaque é a arte da capa, que dá a ideia de toda a grandiosidade que se obterá ao iniciar a audição. Uma das capas de CD mais belas que eu já vi. Ela possui todos os elementos que eu admiro. Outro ponto a favor!

Parece que temos uma nova superbanda dentro do segmento do Metal Sinfônico. O Xandria tem tudo para se tornar grande, é só seguir pelo caminho de Neverworld's End e manter a originalidade. Se continuar assim, o Nightwish já era! kk

Arrisco ainda dizer que é o melhor álbum de 2012, apesar de ter o novo do Testament, que também está demais. E visto que eu escutei pouquíssimos CDs lançados este ano, esse não é um grande mérito... Mas é isso aí!

BANDA: Xandria

ÁLBUM: Neverworld's End

ANO: 2012

GRAVADORA: Napalm Records

FORMAÇÃO: Manuela Kraller (vocal), Marco Heubaum (guitarra, vocal e teclado), Philip Restermeier (guitarra), Nils Middelhauve (baixo) e Gerit Lamm (bateria)

DURAÇÃO: aproximadamente 01:03:53 + 07:20 (bônus) = 01:11:13 (total)

TRACKLIST:
01. A Prophecy Of Worlds To Fall ★★★★★
02. Valentine ★★★★★
03. Forevermore ★★★★★
04. Euphoria ★★★★★
05. Blood On My Hands ★★★★
06. Soulcrusher ★★★★
07. The Dream Is Still Alive ★★★★
08. The Last Elysion ★★★★★
09. Call Of The Wind ★★★★
10. A Thousand Letters ★★★★
11. Cursed ★★★★
12. The Nomad's Crown ★★★★★
13. When The Mirror Cracks (Bonus Track) ★★★★
14. The Sailor And The Sea (Bonus Track) ★★★★

DESTAQUES:
1º: A Prophecy Of Worlds To Fall
2º: Forevermore
3º: The Nomad's Crown

NOTA: 10!

LINKS DE REFERÊNCIA: